Menu Content/Inhalt
Início arrow Dicas da Nutricionista arrow O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE OS RÓTULOS DOS ALIMENTOS
O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE OS RÓTULOS DOS ALIMENTOS PDF Print E-mail

Os rótulos dos alimentos podem ajudá-lo a fazer escolhas bem informadas quanto ao que você vai incluir na sua dieta. Atualmente, graças às melhorias nos métodos de armazenamento, como a refrigeração, o congelamento e a adição de substâncias químicas e radiação para postergar a deterioração, você pode encontrar uma seleção variada de alimentos frescos importados, que têm longa duração. Antes de comprar alimentos, você talvez queira considerar se eles foram modificados para se tornarem mais aceitáveis e, em caso positivo, se os métodos utilizados são seguros.

 

O que a sua comida contém
Ao ler os rótulos dos alimentos empacotados, você vai poder fazer uma escolha bem informada dos alimentos que compra.

Leis sobre os rótulos dos alimentos

Aproximadamente na metade da década de 80, os fabricantes de alimentos passaram a utilizar os rótulos com informações nutricionais como uma arma de marketing. Com isto, mais a pressão dos profissionais e consumidores, a legislação foi ampliada. Os rótulos nutricionais só são obrigatórios quando há uma alegação nutricional no rótulo. Esta diretriz estava alinhada com aquela publicada pela União Européia em 1993 e deve ser revisada logo.

O que um rótulo contém?

Assim como o nome do alimento, todos os rótulos deveriam listar os ingredientes, a data de validade, os aditivos com números E, e as informações nutricionais.

Conservando os alimentos
Técnicas de conservação dos alimentos previnem a contaminação e deterioração da comida. Elas agem prevenindo a atividade bacteriana e a ação das enzimas ato digestivas que destroem as células.
Métodos Como funciona
Refrigeração A redução da temperatura de armazenamento para 3-5°C reduz a deterioração das gorduras (ranço) e lentifica o crescimento microbiológico.
Congelamento Reduzir a temperatura de armazenamento para 18-20°C vai inibir o crescimento dos micróbios, mas não vai matá-los. Os micróbios ainda vão estar presentes e voltarão a crescer uma vez que o alimento degele. Vai lentificar a deterioração ainda mais que a refrigeração, mas não vai parar se for descongelado. Por isso é que não se deve congelar novamente alimentos já descongelados.
Conservantes químicos Alteram a composição do alimento para reduzir o impacto da contaminação por micróbios e da oxidação.
IrradiaçãoEm doses altas, o tratamento dos alimentos com a radiação vai esterilizá-los. Em doses baixas, a radiação pode ser usada para adiar o amadurecimento das frutas.

O nome

Todos os alimentos pré-embalados, e muitos dos não-pré-embalados, devem mostrar o nome do alimento no rótulo. Alguns alimentos têm nomes para venda, como Sucrilhos, enquanto outros têm um nome descritivo. Nomes como "integral" são definidos por lei.

O nome deve ser preciso o suficiente para distinguir aquele produto de outros. Existem exceções, como as frutas e vegetais inteiros e com casca, aromatizantes, queijo e manteiga. Os nomes não podem ser enganosos, por exemplo, o sabor de uma torta de cerejas deve vir principalmente de cerejas de verdade, assim como de um produto que tem cerejas frescas retratadas no pacote. Sabor de cereja, por outro lado, significa que o sabor do produto é derivado pnncipalmente de aromatizantes artificiais.

Os ingredientes

A maioria dos alimentos deve incluir uma lista dos ingredientes numa ordem decrescente do peso. A água não é geralmente incluída, porque é considerada parte integral dos alimentos, a não ser que esteja dentro das diretrizes da lei. Se 5% ou mais de um produto acabado é de água adicionada, ela deve ser listada com os outros ingredientes. Há uma tendência atual de listar água como água, supostamente para tornar o som menos comum.

A informação em um rótulo

Por lei, os rótulos de alimentos devem fornecer ao consumidor informações específicas. Estas incluem o nome do produto, os ingredientes (1istados em ordem decrescente de peso) e detalhes dos valores nutricionais.

Torradas
Ingredientes
Farinha de trigo, óleo vegetal, vegetais secos (beterraba), sal
Informação nutricional
Valores típicos Por falta (aprox. 10 g) Por 100 g
Energia kj ou
Energia Kcal
Proteína g
Carboidratos g
de açúcar branco g
Gordura g
de gordura saturada g
Fibras g
Sódio g
162
38
1.0
8.0
0.2
0.4
0.04
0.2
0.04
1626
383
9.8
79.3
1.9
3.8
0.4
2.1
0.4

Alegações nutricionais
Alguns dos termos utilizados pelos fabricantes para descrever os seus produtos são definidos por lei, para evitar a possibilidade de os consumidores serem enganados, mas outros permanecem vagos e sem definição
GorduraNível baixo ou reduzido de gordura25% menos gordura do que o produto normal
Sem gordura Não mais do que 0.15 g de gordura por cada 100 g
Praticamente sem gorduraSem definição legal
Energia* Calorias reduzidas25% menos calorias do que o produto normal
Baixas caloriasNão mais do que 40 kcal por grama ou mililitro
Diet, light ou liteSem definição legal
Açúcar** Sem açúcarNão mais do que 0.2 g por 100 g
Açúcar reduzido25% menos açúcar que o produto normal
Sal (Sódio) Sal ou sódio reduzido25% menos sal que o produto normal
Pouco salNão mais do que 40 mg por porção (ou 40mg por uma porção de 100 g)
Sem salMenos que 5 mg por 100 g
Fibras Rico em Fibras Não há definição legal para rico em fibras, mas muitos fabricantes usam um nível de ao menos 6 g por 100 g de alimento.
* Os fabricantes usam a frase "como parte de uma dieta de baixas calorias" para dizer que o produto poderia ser útil em uma dieta emagrecedora. Qualquer alimento pode se encaixar numa dieta deste tipo se o consumo de outros alimentos e bebidas for restringido. Alguns produtos são enganosamente rotulados como "emagrecedores", pois, peso por peso, eles têm as mesmas, senão mais, calorias do que alimentos equivalentes não-emagrecedores. Mas são menos densos (por exemplo, alguns cereais matinais) ou são preparados de uma maneira particular (por exemplo, diluídos em água e não em leite) e, portanto, têm menos calorias por porção.
** Sem açúcar adicional, também significa sem mel, frutose ou xarope de fruta.

Os aditivos e números E

Os ingredientes que caem nesta categoria são geralmente adicionados em pequenas quantidades e, portanto, aparecem no final da lista. Ambos o nome oficial ou número E podem ser usados. Um número E indica que o aditivo e permitido pela legislação. Os aditivos são utilizados para dar sabor adoçar ou dar cor, para melhorar a conservação do alimento ou modificar sua consistência ou textura. Os aditivos são discutidos separadamente na página 80.

Marca da data

Os alimentos que têm uma duração maior que três meses devem indicar o mês e o ano nos quais devem ser consumidos. Os alimentos com uma duração menor que três meses devem indicar o dia e o mês nos quais devem ser consumidos. Os produtos com uma data de "vender até" em vez de uma data de "consumir até", devem indicar em quantos dias o alimento deve ser consumido a partir desta data. Os lojistas podem ser processados por venderem produtos além destas datas.

Alegações nutricionais

De acordo com as diretrizes publicadas pelo Ministério da Agricultura, Alimentos e Pesca, os valores nutricionais devem ser expressos por 100 g de alimento e por porção se o pacote tiver menos do que 100 g. Segundo a legislação atual, o peso dos alimentos deve ser expresso em gramas e quilogramas.

Devem ser fornecidas informações sobre calorias, proteínas, gorduras e carboidratos, depois sobre fibras e sódio e depois sobre açúcares, vitaminas e sais minerais. Os valores das vitaminas e sais minerais são fornecidos quando estão presentes em quantidades maiores que um sexto da quantidade diária recomendada.

Os fabricantes que falsificam estas alegações podem ser processados. Contudo, a terminologia utilizada pode ser muito confusa. Por exemplo, baixo nível de gorduras tem uma definição legal, mas com menos gordura pode não significar nada mais do que o normal para aquela categoria de produtos.

Quantidades diárias recomendadas

Os rótulos nutricionais geralmente incluem as quantidades diárias recomendadas (QDR) de calorias, proteínas, vitaminas ou sais minerais. Esta é a quantidade que vai suprir as necessidades da maioria das pessoas. Não existe um QDR para os carboidratos ou gorduras porque eles são fontes de energia intercambiáveis. Uma substância só pode ser listada desta maneira quando mais que um sexto do QDR está presente.

O painel governamental sobre o conteúdo nutricional na dieta introduziu dois outros termos: necessidade média estimada (NME) e o consumo de referência dos nutrientes (CRN). A NME é definida para as calorias, as proteínas e vitaminas para um grupo específico de pessoas, por exemplo, uma faixa de idade específica. Cerca de metade deste grupo vai necessitar mais que o NME e a outra metade vai necessitar de menos.

O CRN, que é definido para as proteínas, vitaminas e sais minerais, é a quantidade suficiente para aproximadamente 97% da população . Por exemplo, a NME das mulheres de 19 a 59 anos de riboflavina é de 0,9 mg por dia. O CRN é 1,1 mg por dia. A maioria das pessoas não precisa mais do que a NME. Contudo, se o consumo médio de riboflavina é 1,1 mg por dia, ou mais, pelo menos 97,5% da população vai receber o suficiente. Estes dados são incluídos nos rótulos para a informação e como uma arma de marketing. Na vida cotidiana, não é necessário ter um conhecimento tão preciso. Se você está comendo uma dieta balanceada de acordo com as diretrizes no capítulo "Alimentação Saudável", não deve ter nenhuma deficiência nutricional.

Pontos centrais

  • Os rótulos dos alimentos ajudam você a decidir se compra ou não produtos alimentícios, agora que há melhor anmazenamento, conservação e processamento.
  • Leis determinam quais alegações nutricionais podem ser feitas pelos fabricantes.
  • A lista dos ingredientes mostra que ingredientes o alimento contém e em que proporção.
  • A QDR é a porção diária que vai suprir as necessidades de quase todas as pessoas.

Fonte: Guia da Saúde Familiar - revista ISTOÉ - Volume 16 - 03/2002